editorial destaques

O QUE ESTÁ EM FOCO

economia sustentabilidade comunidade política saúde educação esportes polícia

COLUNAS

além da porteira curtas e picantes eco e pet vidas em foco

SAÚDE

Publicado em 25 de setembro de 2018 às 08:37h

Após campanha, BA tem 94,13% de vacinados contra sarampo e pólio

Número chegou próximo da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde, de 95% do público-alvo vacinado contra as doenças.
por Foco no Poder
Bahia chegou próximo da meta estipulada pelo Ministério da Saúde — Foto: Divulgação/Antônio Gonçalves

Bahia chegou próximo da meta estipulada pelo Ministério da Saúde — Foto: Divulgação/Antônio Gonçalves

Um balanço divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) aponta que 94,13% das crianças que deveriam ser vacinadas contra o sarampo e poliomielite (paralisia infantil) receberam as doses, até o final da campanha, que foi prorrogada até a última sexta-feira (21).

De acordo com a Sesab, a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde era que, pelo menos, 95% do público-alvo fosse vacinado contra as doença. A vacina segue disponível nos postos da rede pública de saúde.

A ação foi prorrogada duas vezes na Bahia, por não ter atingido a meta. A campanha seria encerrada no dia 3 de setembro quando 84,54% do público-alvo tinha sido imunizado. Com o número abaixo do esperado, a Sesab prorrogou a ação em todo o estado até o dia 14 de setembro.

Ao final do prazo, a meta ainda não havia sido atingida e a campanha foi prorrogada mais uma vez, até o dia 21.

Conforme o Ministério de Saúde, a Bahia é o estado brasileiro com maior risco de retorno da poliomelite. Isso porque, conforme o órgão, 63 cidades do estado não chegaram a vacinar no ano de 2017 nem metade das crianças que compõem o público-alvo da imunização.

O último caso da doença no estado foi registrado no final da década de 80, mas, como o vírus ainda circula no mundo, pode haver o risco de contaminação.

Casos

Um homem natural de Manaus (AM) foi diagnosticado com sarampo na Bahia, este ano. O paciente, de 38 anos, foi internado em Ilhéus, no sul do estado, após apresentar sintomas da doença, em agosto.

O homem, que não teve o nome divulgado, veio para Bahia a trabalho. Conforme a Sesab, ele já chegou ao estado doente. O paciente foi atendido e medicado na Unidade do Pronto Atendimento (Upa) Zona Sul, em Ilhéus, e teve alta.

De acordo com a Sesab, não há casos de pessoas infectadas pelo vírus do sarampo no estado desde 1999. Já último registro de sarampo importado que se tinha até então era o de uma criança francesa que esteve em Porto Seguro, extremo sul da Bahia, já infectada pela doença. A situação ocorreu em 2011.

Ainda segundo a secretaria, o último caso de poliomielite no estado foi em 1989, no município de Irecê.

Até o dia 28 de agosto, foram confirmados 1.553 casos de sarampo no Brasil, enquanto 6.975 permanecem em investigação. O país enfrentou dois surtos da doença: no Amazonas, que já tem 1.211 casos confirmados e 6.905 em investigação, e em Roraima, onde houve cerca de 300 casos confirmados e 70 em investigação.

Foram identificados casos isolados e relacionados à importação em dois casos em São Paulo, Rondônia, Pernambuco e Pará, dezesseis no Rio Grande do Sul e mais dezoito no Rio de Janeiro. Ainda foram confirmadas sete mortes por sarampo, sendo quatro em Roraima e três no Amazonas.

Quem deve ser vacinado?

Contra a poliomielite: crianças de 1 até 5 anos independentemente de quantas doses já tomou. Em casos de nenhuma dose, será aplicada a Vacina Inativada Poliomielite. Em caso de uma ou mais doses, será aplicada a Vacina Oral Poliomielite, a famosa “gotinha”.

Contra o sarampo: crianças de 1 até 5 anos independentemente de quantas doses já tomou.

Não devem ser vacinadas: crianças de 1 até 5 anos que tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias. Fonte: G1/BA

Compartilhe nas redes socias: FACEBOOK WHATSAPP


Colunas

Além da porteira
Confira todas as informações sobre o Agronegócio e Economia Local, oportunidades e curiosidades e muito mais.
Curtas e picantes
Engenheiro Civil, Pós Graduado em Marketing Empresarial, participa como estrategista em Campanhas Políticas desde 1985, conhecido por Dilvan Coelho.
Eco & Pet
Doutora em linguística pela PUC-RS (2014) e Mestre em Estudos de Linguagens, pela Universidade do Estado da Bahia - Uneb (2008), Cristhiane Ferreguett.